sexta-feira, maio 18, 2007

DIÁLOGOS IMPERTINENTES

Quinta-feira, fim de tarde, dor-de cabeça lancinante, gripe em andamento, telefone toca tiririririm...

-Alô?
-Boa tarde, Dona Acantha?
-Sim
-Sou representante da LBV e..
-Lamento, não estou interessada.
-Ah... A senhora não está interessada em ajudar as crianças???
- Não. Não estou interessada na LBV.

Telefone no gancho...
Bem... Não é que às vezes, mal-educada é a pergunta???

(Legião da Boa Vontade é aquela entidade custeada por doações, milionárias, envolvida em grandes escândalos financeiros).

6 comentários:

Fábio disse...

Pior que isso só a sessão de "descarrego" com o "bispo" Macedo na IURD.

Jens disse...

Hoje de manhã liguei o rádio e, antes de achar minha estação, ouvi um camarada gritando: DONA MARIA. PRECISO FALAR COM A SENHORA. A referida senhora gemia e balbuciava palavras incompreensíveis. Suponho que estava dominada pelo "demonho" (oi, mãe, tudo bem?).
Era um simulacro da atuação da IURD. Esta, a propósito, é muito competente. Aqui em POA compraram a TV 2 Guaíba, o Correio do Povo e a Rádio Guaíba (que ninguém dúvida que vão melhorar e futucar a bosta da RBS, que se achava, até então, a bambambam da comunicação gaudéria.
Mas o que me chama atenção, na IURD (nào faço parte da grei) é o seguinte: os caras querem a conversão, ok. Mas eles também oferecem e indicam aos fiéis formas de ganhar dinheiro. Com eles tudo gira em torno da grana. Deus = grana aqui e agora. Defendem a lucratividade aqui e agora (nada para o Reino dos Céu após a morte dos babacas católicos). O fato do bispo Edir Macedo ter construído este império do nada (era um vendedor das loterias da CEF) é um atestado de competência e do crescimento religioso do brasileiro: acreditamos no Deus business - isto é, nada impede que entre uma oração e outra façamos bons negócios - nem todos tão éticos assim. É a visão dos gringos. Nas notas de dólar está escrito "In Good me trust" (Em Deus confiamos. Ou seja, o Senhor é um parceiro). Nos notas de reais, a conversa é outra: Deus seja louvado. Isto é, já estamos pedindo pinico (ou penico?) de joelhos.
Deu pra entender?
***
Assim que escrever o final da saga do Casamento do ML te mando por email.
***
Como é que a gente se dá tão bem pensando tão diferente? (falo de política. of course).

ACANTHA disse...

ARGH, FÁBIO...

ACANTHA disse...

Isso é simples, JENS querido. Chama-se RESPEITO. Embora tenhamos idéias e visões muito diferentes, o respeito pela pessoa do outro nos torna amigos, cúmplices até. A isso chamamos amizade!!

Manoel Carlos disse...

Caras-de-pau! Admito que recebem um treinamento e tanto, pois conseguem ser inoportunas e insolentes como poucos.

ACANTHA disse...

E desagradáveis como muitos outros, querido MANOEL CARLOS...