domingo, fevereiro 11, 2007

ALMA ENLUTADA...ATÉ QUANDO?

Respeito e gosto do que Gilberto Dimenstein escreve. Ótimo articulista, desta vez ele escolheu o caminho mais fácil ao comentar a tragédia que foi o assassinato do menino no Rio de Janeiro, aqui: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1102200721.htm.
Meus bisavós não tinham mais que o "primário incompleto", meus avós, creio que pouco mais que isso, ainda mais por terem sido pessoas saídas do inferno da guerra, chegando em país estranho e tudo o mais - a mesma história de milhares de outros que jamais cometeram qualquer ato ilícito, que dirá uma barbárie desse quilate!!!
Lamentável, passível de correção para 30 anos passados, cadê o investimento em educação???
Mas daí achar que apenas isso leva pessoas (apenas pela correção - são animais da pior espécie!) ao crime, é simplista e irreal.
De momento, urge encontrar soluções para tão nefandas motivações...
(A propósito: a quem aproveitou a entrevista concedida pelos pais do infeliz menino, ao Fantástico, ainda agora? Tristes tempos de feiras de vaidades...)

10 comentários:

Jens disse...

Oi florzinha:
Barra pesada essa história, né?
De minha parte, acho que a nossa sociedade está apodrecendo moralmente. O conceito de certo e errado, assim como a punição, estão sendo extintos paulatinamente. Nos meus tempos de guri, se fazia algo errado sabia que seria punido com umas boas chineladas pela minha mãe. Nem doía tanto - o que doía mais era a consciência de estar sendo castigado por ter feito algo errado. Hoje não existe mais isso - quem ousar corrigir um filho corre o risco de ser denunciado e ir parar na cadeia ou perder o direito de paternidade (o ECA está aí pra isso). Estamos na sociedade do vale-tudo. É de criança que se forma o caráter e o comportamento do ser humano. Se lhe dão liberdade total, vai crescer achando que pode fazer tudo o que lhe der na veneta. Torna-se amoral. O resultado está aí e não só entre os pobres. Aqui vez ou outra temos notícia de jovens bem nascidos que massacram desafetos em bandos, com golpes de artes marciais. Porra, estou indignado e vou parar por aqui. Hoje recém é segunda-feira.
***
Quanto a entrevista do Fantástico: sensacionalismo não é um privilégio do Datena. A diferença é que na Globo não se grita tanto. Mas o objetivo é o mesmo: preciosos pontinhos no Ibope às custas da exposição do sofrimento alheio.
***
Um abraço e uma boa semana.

Fábio disse...

Que dizer desta mídia que usa da tragédia humana para aumentar seus lucros? Que moral tem ela para cobrar (se é que cobra) do governo e/ou autoridades (in)competentes ações para minimizar a violência tão banalizada neste país?. Sabe-se que desde que o mundo é mundo a barbárie impera e isso ocorre pois a maioria não sabe o que é ÉTICA. Apesar de tudo, eu ainda quero crer que o "bicho-homem" esteja em pleno processo de evolução...

sandra camurça disse...

Querida Acantha,

Fiquei muito angustiada, triste e revoltada com esse crime hediondo. Não sei, realmente não sei onde e como tudo vai acabar. É triste. Aquela lição básica que aprendi quando criança, de me colocar no lugar do Outro, poucos ainda são capazes de aprender e praticar. Existe uma falta de sensibilidade e delicadeza geral no nosso mundo. Só enxergo poucas ilhas isoladas de amor e afeto. Vamos tentar preservá-las na medida do impossível.

Um beijão.

Anônimo disse...

Gosto muito de você, leãozinho.

Acantha disse...

Triste ver nosso globo (terrestre)à mercê da extinção de valores e não conseguirmos fazer nada, JENS... Muito triste..

Acantha disse...

Você sabe que há muito eu acredito na involução, né FÁBIO? Mas quem sabe não são pessoas como você que farão a diferença? Tomara!

Acantha disse...

Compaixão, SANDRA querida..É isso que falta...

Acantha disse...

Rapaz!!!! Você ousa vir aqui, dizer que gosta muito da leãozinho (sou eu?????????), e NÃO se identifica, ANÔNIMO??? Dó de mim...

Manoel Carlos disse...

Farei uma analogia grosseira com a lepra, doença letal e contagiosa.
Atualmente é curável à base de medicamento PQT, primeiro trata-se de impedir o contágio, depois da cura, mas sem reverter deformidades adquiridas.
Certos bandidos, seja qual for a história deles, representam um risco à coletividade, por isto precisam ser isolados, presos.
Em casos de recuperação, faz-se a ressocialização - nem os que não são bandidos conseguem, pois o nosso modelo econômico é excludente e marginalizador.
Nossas prisões no máximo servem para punição, na maioria das vezes funcionam como escola de crimes.
A falta de educação certamente é uma das causas da nossa crise ética e moral, mas não é a única.
A impunidade e o mau exemplo, sobretudo das autoridades máximas, são responsáveis pelo agravamento da crise ética e moral.
Não esqueçamos que Nelson Jobim, quando presidente do SupremoTribunal, jactou-se publicamente de ter fraudado a Constituição.
Lula apresentou dois argumentos para os crimes cometidos sob o comando dele: não sabia e todo mundo faz.
João Paulo, presidente da Câmara dos Deputados, foi flagrado como mensaleiro, mentiu sobre as documentadas idas da própria mulher dele ao banco onde retirava a "mensalidade".
Se os presidentes dos três poderes, com todas as condições de serem cidadãos, são exemplo de bandidagem, o que podemos esperar de bandidos criados sem dignidade, sem educação, sem valores éticos e morais, recebendo péssimos exemplos das autoridades e vendo a impunidade geral?
Parodiando o samba, se gritar pega bandido!, não fica um meu irmão.

Acantha disse...

Sempre oportunas, coerentes e, infelizmente - verdadeiras - suas colocações, querido MANOEL CARLOS...